Ebooks

E-BOOK - Urgências em Endodontia

Autores: Manoel Eduardo de Lima Machado e coautores

Investimento R$ 150,00

Número de páginas: 263

Telefone:

ATENÇÃO:

Por se tratar de um material digital (e-book) que é imediatamente baixado e consumível após a aquisição, não faremos reembolso ou devolução de quantia após a confirmação da compra. Gratos pela compreensão!

Urgências, ansiedade, dor, desconforto são situações de grande estresse no cotidiano da prática odontológica, e em especial na prática endodôntica. A dor modifica o comportamento do paciente, reduz sua resistência e altera seu humor e ações. Neste particular, na relação profissional-paciente, fatores como confiança, segurança e até mesmo o controle das expectativas, estão inseridos de maneira fundamental para o planejamento e ação do caso em questão.

Dor: como interpretar? O que significa esta manifestação orgânica?

A dor tão conhecida por nós desde o nosso nascimento representa apenas variações do normal, quando se excede o limite de tolerância do organismo. Portanto, a dor na realidade não significa patologia naquele instante, pois como sabemos existem evoluções assintomáticas, que inclusive podem levar o indivíduo a morte. Todavia, como é uma sensação desagradável, não é bem interpretada pelo paciente. Cabe assim, ao profissional de saúde auxiliar na interpretação do processo para que o paciente compreenda o quadro e reduza suas tensões e ansiedades. Por exemplo: Intervenções Endodônticas, todo procedimento relacionado à ação endodôntica é traumático: corte de uma polpa, usos de substâncias químicas auxiliares e medicações intra-canais, preparo cirúrgico do canal radicular, cimentos e técnicas obturadoras. Desta forma, o que se espera em um paciente saudável pós-intervenção endodôntica é a instalação de uma reação inflamatória na região apical que dependendo da sua intensidade irá instalar um quadro de dor; normal, esperado e saudável, considerado inclusive por autores que estudam reparação tecidual como sendo esta reação à fase inicial da cicatrização e cura.

Porque então tal fato para nós é motivo de tanto transtorno? A situação, o manejo do pós-operatório em Endodontia constitui fase de preocupação tanto para os profissionais quanto para os pacientes. Porque tal fato não é potencializado no cotidiano da medicina?

A explicação a nosso ver é simples. Em primeiro lugar, a maioria das escolas de odontologia formam profissionais tecnicistas, neste particular muitas vezes os currículos da área básica e clínica praticamente não se integram, e o profissional passa a viver baseado em procedimentos técnicos, esquecendo de que a técnica nada mais é do que um recurso, ou uma ferramenta variável que deve ser adaptada às condições biológicas, buscando a volta da normalidade.

Assim sendo, neste livro vamos estudar a origem e manifestação com seus indicadores comportamentais dos possíveis processos instalados, e desta forma, sugerir qual ação clinica ideal, visto que esta é a conseqüência da própria circunstância biológica. A exemplo, para lidar com a reação infamatória, devemos primeiro conhecê-la, pois muitas vezes não conseguimos reverter o quadro naquele primeiro instante, mas podemos prever sua evolução. Assim sendo, é fundamental e necessário que o profissional desenvolva conhecimentos cognitivos sobre as evoluções patológicas, conheça os recursos semiotécnicos no sentido de extrair informações clínicas através dos sinais e sintomas existentes, desenvolva aspectos comportamentais no sentido de interpretar os eventos associando as manifestações do paciente às sua angustias e experiências anteriores, podendo assim finalmente estabelecer a principio um diagnóstico provável, sendo muitas vezes, posteriormente confirmada sua evolução e finalmente um possível prognóstico.

Com o desenvolvimento de uma condição clínica, é possível estabelecer ações locais e suas variáveis, as ferramentas sistêmicas e demais procedimentos que possam desta forma estabelecer um plano de ação clínica.

O manejo destas situações comportamentais produzirá como consequência um maior esclarecimento, e desta forma, uma maior colaboração do paciente para que juntos possam estabelecer procedimentos mais adequados com a proposta de retornar à saúde e a normalidade.

Desta forma, gostaríamos de ser mais simples, se comportar de uma maneira resumida, rápida e objetiva, sugerindo aos colegas, ações locais e procedimentos, como de fato pode ser observado no capitulo 2 - “Ação clínica e abordagem de urgência”. Todavia, diante da importância do diagnóstico e a complexidade da dor e sua interpretação os capítulos 1 – “Compreendendo a dor – mecanismos inflamatórios” e 2 – “Conhecimentos fundamentais do diagnóstico em Endodontia” trazem informações essenciais neste contexto. Ademais, nos casos de urgência não é incomum algumas situações endodônticas que fogem do atendimento realizado em consultório odontológico, o capítulo 3 de caráter informativo traz uma abordagem hospitalar destas situações. Como não poderia deixar de ser, estão também incluídos no capitulo 4 os conceitos relacionados aos anestésicos, e no capitulo 5 as técnicas de anestesia. E finalmente, complementando toda a abordagem relacionada às urgências em Endodontia, no capítulo 6, ações sistêmicas por meio da farmacologia com uso racional é apresentada.

Desta forma, esperamos poder estar contribuindo no sentido de ampliar os resultados clínicos, bem como trazer o bom senso e a segurança necessária para lidar com situações tão adversas de urgência.

Manoel Eduardo de Lima Machado

Compreendendo A Dor – Mecanismos Inflamatórios
Manoel Eduardo de Lima Machado

Conhecimentos Fundamentais do diagnóstico em Endodontia
Manoel Eduardo de Lima Machado 

Ação Clínica e abordagem de Urgência
Manoel Eduardo de Lima Machado

Urgências endodônticas - abordagem hospitalar
André Carvalho Rodriguez
Carlos Eduardo Xavier dos Santos Ribeiro da Silva
Daniela Marti Costa
Marcio Martins
Márcia V. M. Porto

Anestesiologia em Endodontia: o que considerar na escolha do anestésico local em urgências endodônticas
Fernanda Lopes da Cunha

Técnicas anestésicas para os procedimentos urgências em Endodontia
Fernanda Lopes da Cunha
Manoel Eduardo de Lima Machado
Cleber Keiti Nabeshima
Hector Caballero-Flores

Medicação sistêmica: uso racional no tratamento endodôntico e suas urgências
Manoel Eduardo de Lima Machado
Cleber Keiti Nabeshima
Thaís Nejm Jacob