TÉCNICAS ACORDE MACHADO

- Preparo, obturação e limpeza do conduto -
Conheça técnicas de preparo, obturação e limpeza do conduto para blindagem com vistas a se atingir a proposta de desinfecção dentro do binômio limpeza e alargamento.

TÉCNICAS ACORDE MACHADO

PREPARO

TÉCNICA MECANIZADA DE LIMA-ÚNICA RECIPROCANTE (Machado)

  1. Preparo da entrada do canal com Triple Gattes e ProTaper SX;
  2. Mensuração do CAD (comprimento aparente do dente) na radiografia de diagnóstico;
  3. Subtração de 2,0 mm do valor do CAD para adquirir o limite de trabalho provisório (LTP);
  4. Exploração do canal radicular com lima K # 10 ou 15 no LPT;
  5. Abertura da luz do canal (Glide path) com WaveOne Gold Glider em movimento reciprocante até o LPT;
  6. Exploração do canal radicular com lima # 15 no LPT, irrigação e aspiração;
  7. Uso do Wave One Gold Primary em movimento reciprocante até o LPT, irrigando e explorando a cada 3 movimentos de leve pressão apical do reciprocante.

 

TÉCNICA HÍBRIDA (Machado, 2003)

Fase 1 - Preparo dos terços cervical e médio e início do terço apical

  1. Preparo da entrada dos canais com Gates Glidden 1, 2, 3 e 4
  2. Preparo cérvico-apical com brocas Gates Glidden (GG) 1, 2 e 3 acorde Machado (1988): K15-GG1-K15-GG2-K15-GG1-K15-GG2-K15-GG3-K15-GG2-K15-GG1. Realizar este preparo somente na parte reta do conduto. Para maior detalhamento consultar técnica Machado (1988);
  3. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar;
  4. Preparo cérvico-apical com uso dos Instrumentos Protaper - instrumentos rotatórios SX e S2 aplicando a seguinte cinemática: penetrar no conduto com o instrumento acoplado no contra-angulo e motor desligado até  a  profundidade  que  o  mesmo  apresente uma  sensação  de  estar  travado  no  interior  do  Isto posto, recuar de 1 a 2 mm para que o mesmo esteja totalmente  livre. Retire o instrumento do canal radicular, e acione o motor à velocidade de 350         rpm e   torque  4 Ncm. O movimento com o instrumento livre e o motor acionado deverá ser de pincelamento em todas as paredes do conduto. Isto posto, repita a manobra com o sentido de penetrar um pouco mais no interior do conduto, devendo observar que estes instrumentos deverão trabalhar totalmente livres no interior do canal. Diferentemente das brocas Gates Glidden,  que só trabalham  na  parte reta  do  conduto,  estes  instrumentos  (SX  e  S2) irão efetuar o preparo em áreas de curvaturas e no inicio da porção apical.

Fase 2 - Preparo do terço apical

  1. Realizar a Odontometria para estabelecer o Comprimento Real de Trabalho (CRT);
  2. Preparo do canal com limas manuais 15, 20 e 25 até o CRT. Se estes condutos apresentarem curvaturas sugerimos  o  preparo  com limas de NiTi
  3. Preparo do canal com os instrumentos ProTaper S1, S2, F1 e F2 à velocidade de 350 rpm e torque 4 Ncm. Estes instrumentos deverão sempre trabalhar com o movimento de vai-e-vem contínuo até atingir o CRT, não necessitando aplicar forcas nas paredes laterais. Eles nunca poderão estar trabalhando estacionados em um mesmo ponto, pois assim terão grande possibilidade de fratura ou e de criar desvios ou degraus no canal. Normalmente, o uso contínuo destes instrumentos em até 3 vezes no movimento de vai-e-vem na região apical  é  suficiente para permitir a entrada suave do próximo instrumento. O preparo de canais de maiores calibres é realizado com o uso dos instrumentos F3, F4 e F5.

Técnica Híbrida Acorde Machado (2003)

 

TÉCNICA CÉRVICO APICAL COM USO DE GATES GLIDDEN (ACORDE MACHADO, 1988)

Fase 1 - Preparo dos terços cervical e médio

  1. Explorar o conduto com uma lima 15 até 5 mm aquém do Comprimento Aparente do Dente (CAD) obtido na radiografia de diagnóstico;
  2. Utilizar a Gates Glidden 1 no terço cervical com pequenos movimentos de vai-e-vém;
  3. Explorar o conduto com uma lima 15 e irrigar;
  4. Utilizar a Gates Glidden 2 no terço cervical ou médio com pequenos movimentos de vai-e-vém;
  5. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar;
  6. Utilizar novamente a Gates Glidden 1, ela irá penetrar mais que anteriormente;
  7. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar;
  8. Reutilize a Gates Glidden 2 com pequenos movimentos de vaivém;
  9. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar;
  10. Utilizar a Gates Glidden 3 no terço cervical com pequenos movimentos de vaivém;
  11. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar;
  12. Volte a utilizar a Gates Glidden 2, no qual irá avançar mais que anteriormente, atingindo o terço médio (que será ou seu limite);
  13. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar;
  14. Reutilize novamente a Gates Glidden 1, no qual irá avançar mais que anteriormente, atingindo o início do terço apical (5mm aquém definido anteriormente) ou o início da curvatura (visto quando possível na radiografia ou o ponto de maior resistência);
  15. Explorar o conduto com lima 15 e irrigar.

Fase 2 - Preparo do terço apical

  1. Realizar a Odontometria para estabelecer o Comprimento Real de Trabalho (CRT);
  2. Verificar o calibre da primeira lima que se ajusta no CRT e realizar o preparo do apical com mais 2 ou 3 limas acima da primeira que se ajustou no CRT. Se estes condutos apresentarem curvaturas sugerimos  o  preparo  com limas de NiTi;
  3. Preparo apical.

 

OBTURAÇÃO

TÉCNICA DE OBTURAÇÃO DE CONE-ÚNICO MODIFICADA (Acorde Machado, 2007)

A técnica de cone único original proposta pelo fabricante preconiza o uso do cone principal referente ao perfil do último instrumento utilizado. No entanto, preconizamos uma modificação à técnica de cone único original, no qual canais instrumentados com sistemas de lima mecanizada deverão ser obturados com um cone de conicidade .06 e calibre maior que a última lima utilizada, pois as limas mecanizadas resultam em maior desgaste que a sua forma. Logo, a técnica de cone único modificada leva em consideração o perfil do preparo e não a última lima utilizada (Machado, 2007). A exemplo, uma vez concluída a instrumentação com o instrumento F2 que possui ponta #25, o profissional escolhe um cone #30 ou #35 ou até mesmo #40 de conicidade 0,06 e o mesmo se adaptará melhor no canal preparado, se o preparo for concluído com a F3 que tem ponta #30, o cone será #40 ou #45 0,06 e assim sucessivamente.

  1. Realizar a desinfecção do cone por meio da imersão em digluconato de clorexidina 2% por 1 minuto;
  2. Prova do cone verificando a melhor adaptação no CRT. Iniciar o teste com um cone de ponta dois números acima que a do último instrumento;
  3. Radiografia de confirmação;
  4. Secar o conduto com aspiração seguido de cones de papel;
  5. Introduzir o cone com cimento obturador com um único movimento. Não realizar o bombeamento para que não haja extravasamento de cimento para a região periapical. Em casos de canais achatados, tentar introduzir cones secundários em possíveis espaços;
  6. Cortar o cone e realizar a blindagem.

 

TÉCNICA DE OBTURAÇÃO DO CONE CORTADO (Acorde Machado)

Indicação: Dentes que receberão pino/retentores intraradiculares

  1. Realizar a desinfecção do cone por meio da imersão em digluconato de clorexidina 2% por 1 minuto;
  2. Prova do cone com travamento do CRT;
  3. O cone será cortado nos seus 5 mm finais, com auxilio de uma lamina de bisturi (A);
  4. Escolher um condensador que apresente mesmo diâmetro da porção superior do cone seccionado, nem mais, nem menos. Se utilizarmos um condensador muito calibroso o mesmo não tocará o cone, e se for muito fino irá penetrar na guta-percha e poderá deslocá-la ou até removê-la. Escolha também um calcador de maior calibre que possa penetrar no terço cervical e entrada de terço médio, este será responsável por conduzir o cone no interior do conduto;
  5. Com o conduto totalmente seco vamos introduzir o cimento obturador com auxilio de cones de papel;
  6. Com uma pinça de precisão, prender o cone de guta-percha cortado e posicioná-lo no interior do canal radicular (B-C);
  7. Conduzir o cone de guta-percha utilizando o calcador mais calibroso selecionado que penetre no terço cervical e parte do terço médio (D-E);
  8. Finalmente, posicionar e condensar a obturação apical utilizando o condensador adequado selecionado previamente (F).

Técnica do cone de guta-percha cortado Acorde Machado

 

TÉCNICAS COM LIMAS MANUAIS TIPO K PREPARADAS (ACORDE MACHADO)

Este procedimento é realizado com limas K80, que dependendo do caso podem ser de calibres maiores ou menores. Estes instrumentos devem ser cortados em três tamanhos com discos de carburundum devidamente aplainados no centro da espira, propiciando uma superfície plana. O diâmetro do corte é obtido através da análise da radiografia, observando a anatomia do conduto radicular, e de posse desta imagem determinamos até onde e qual o comprimento intracanal que o preparo deve ser realizado (em canais curvos somente na parte reta). Com essas informações, realizamos o corte nos instrumentos com diâmetros proporcionais à área a ser trabalhada. O instrumento mais curto será introduzido no terço cervical com movimento de pressão apical, 1/4 de volta à direita e 1/4 volta à esquerda repetidamente até quando este instrumento ele apresentar livre sem resistência, isto posto removemos, limpamos e irrigamos o conduto. Feito isso, se repete o procedimento várias vezes utilizando as limas cortadas de comprimento intermediário e mais longa, até atingir o limite necessário, seguido da limpeza da parede do conduto ao término da desobturação.

 

Limas tipo K seccionada transversalmente em três comprimentos para remoção de material obturador

 

Técnica da lima manual cortada acorde Machado para remoção de material obturador e posterior colocação de pino intrarradicular

 

TÉCNICA COM INSTRUMENTO MECANIZADO CORTADO (ACORDE MACHADO)

Instrumentos mecanizados como o WaveOne GOLD podem ser cortados com discos de carburundum devidamente aplainados no centro da espira, propiciando uma superfície plana. Assim, posicionamos o instrumento cortado no conduto e utilizamos a cinemática de penetração, deixando o instrumento ativo por alguns segundos no mesmo local, retirar, limpar, e continuar a penetração até o limite desejado, seguido da limpeza da parede do conduto ao término da desobturação.

 


Lima WaveOne Gold Primary cortada para a técnica de remoção de material obturador Acorde Machado

LIMPEZA

LIMPEZA DO CONDUTO APÓS DESOBTURAÇÃO/PREPARO PARA PINO (ACORDE MACHADO, 2020)

Após a obturação dos 5 mm apicais, as paredes do canal radicular nos terços superiores necessitarão ser limpas para permitir o condicionamento ácido e demais procedimentos a serem realizados. Desta maneira, o protocolo sugerido é:

1 - Selecionar uma escova interdental compatível com o diâmetro do canal (Figura 5A), esterilizá-la em autoclave e mergulhar no álcool, sendo posteriormente secada parcialmente em uma gaze para que o excesso não comprometa a obturação. Esta escova será utilizada com movimentos de vaivém sobre a parede do canal por 5 vezes seguida de irrigação com água destilada. Realizar este procedimento por 3 vezes ou até ser possível observar ausência de cimento nas espiras da escova; em caso de dúvida, essa limpeza pode confirmada radiograficamente;

2 - Irrigar o conduto com EDTA a 17%;

3 - Irrigar o conduto com água destilada;

4 – Secar o conduto com cânulas adequadas ao seu diâmetro, e posteriormente pontas de papel absorvente até que não se observe umidade.

 

Escovas utilizadas para a limpeza da parede dentinária intrarradicular nos terços que receberão o pino intrarradicular